Inverno mais colorido!

O inverno está chegando! E essa semana já esfriou aqui em São Paulo, e em vários estados no Brasil! O inverno é uma estação charmosa, não só pelo clima e a paisagem, mas as pessoas se vestem melhor. Então aproveite para sair com seus amigos e ficar mais elegante.

Acredito que a maior parte das pessoas enxergam essa estação como sombria, que pede por looks mais neutros, sem chamar muito atenção, mas hoje vim aqui para tirar toda essa “imagem”, de que quanto mais preto for seu look, melhor ele ficará…bobagem!

Não estou dizendo que é proibido usar cores neutras, pelo contrário, elas são ótimas, ficam boas praticamente com tudo e com todas, e o pretinho básico nunca vai perder sua majestade, né!? Acontece que é fundamental trazer para seu look pelo menos um ponto de luz, deixando-o mais alegre e descontraído.

Para começar invista em cores que você goste, sejam em casacos, blusas, calças ou até mesmo em acessórios. O interessante é trazer esse ar descontraído e “vivo” para seu look.  Separei alguns looks para vocês se inspirarem:

f f1 f2 f3

Gostaram dos look’s mais alegres pro inverno? Sempre dá pra ousar e combinar uma peça mais colorida, e sair quentinha e elegante no inverno. Faça sua aposta e invista nas cores nessa estação.

Thigh GAP

Em um mundo com modelos cada vez mais magras, o esteriótipo de beleza está contorcido.

O Thigh (Coxas) Gap (Espaço) é a nova mania entre as adolescentes. Essa mania nada mais é do que pernas tão magras que deixem ver um espaço mesmo quando fechadas.

É um esteriótipo adotado por modelos e cada vez mais aderido pelas adolescentes.

O Thigh Gap teve sua grande difusão nas redes socias Tumblr e Pinterest. E hoje muitas meninas lutam para conseguir as famosas pernas com espaço.

550px-Get-a-Thigh-Gap-Step-12

O problema é que para conseguir esse resultado, muitas vezes, é utilizado uma dieta restritiva associada com exercícios pesados, o que, em muitos casos, leva à anorexia.

Uma das várias imagens compartilhadas no Tumblr

Vivo em constante briga com a balança e sei o quanto os esteriótipos de beleza influenciam as meninas hoje, mas se eu pudesse dar alguns conselhos, seria:

Seja você mesma. Faça o seu próprio padrão de beleza. As pessoas que te amam vão te achar linda de qualquer forma. – Cultive a auto-estima. – Dê o menor valor possível aos esteriótipos criados pela mídia. – Busque uma vida saudável e seu corpo lhe recompensará.

Mesmo porque, não vale a pena ter o corpo dos seus sonhos, se você não tem saúde!

Pense nisso.

Brasil x México = piadas na internet

É Brasil, não foi dessa vez. Acabou agora pouco o jogo em Fortaleza, Brasil x México e o destaque do jogo foram os goleiros que não deixaram entrar uma bola. Mas, NÓS brasileiros não desistimos nunca, e estamos na torcida no próximo jogo contra Camarões, em Brasília. As redes sociais estão lotadas de piadas, fotos e frases sobre o jogo, muitas vezes engraçada, e separei alguns tweets para rir um pouco desse empate que ninguém esperava…

8 7 4

10 14 2 3 1

15 5 9 6 11 16 13 17

18

Capital Inicial – Natasha

Quem me acompanhava no blog na outra plataforma (blogspot) já assistiu esse vídeo. Ele fez muito sucesso e até o pessoal do Capital Inicial curtiu e comentou no Facebook. E por isso decidi compartilhar com vocês agora no Teka Tecla

Foi um trabalho da faculdade pra quem não sabe, faço faculdade de Publicidade e Propaganda – e a proposta era fazer um vídeo com qualquer música, utilizando tipografias diferente: letras desenhadas, de revistas, e letras do computador. Eu e minha amiga, Isabela Pio, escolhemos a música Natasha – Capital Inicial, decidimos fazer colorido e animado, e vocês podem conferir o vídeo:

Adorei o resultado! E vocês nem imaginam o trabalho que dá ficar procurando palavras, e letra por letra numa revista! Espero que tenham gostado.

 Se gostou, é só curtir e compartilhar!.

Beijo e até a próxima :*

Liberdade de Expressão

lorena986 | via Tumblr

A internet nos propicia muitas coisas. Somos uma geração que cresceu, amadureceu e fortaleceu suas opiniões sentados à frente do computador. Existe muita coisa boa para se fazer e se aprender online. Quantos assuntos exploramos, pesquisamos, conhecemos, quantas coisas descobrimos, quantos textos lemos, quantas fotos observamos através da tela do computador? E isso é realmente fascinante e acredito que a maioria sinta-se perdido quando passa um dia ou dois longe do computador, do smartphone ou das redes sociais. Seja para pesquisar, compartilhar ou simplesmente interagir, a internet é extremamente útil e fascinante. O problema começa quando as pessoas utilizam a “coragem” ganha através da tela para colocar pra fora (e mostrar à todos) o que de pior guarda dentro de si.

O que mais vejo quando entro no facebook (ou qualquer outra rede social) não são as pessoas interagindo com seu círculo de amizades, conhecendo novas pessoas, compartilhando fotos ou tudo o que, pelo menos na teoria, era para ser feito ali. O que vejo são discussões intermináveis, xingamentos excessivos e uma falta de noção completa – tudo em nome da “liberdade de expressão”, dizem. Não acredito que existam coisas que não sejam passíveis de discussão – o que existe é local, hora e pessoas para se discutir. Discutir não é brigar: discutir é conversar, expôr pontos de vista diferentes e até chegar a uma conclusão, mesmo que uma das partes mude de opinião durante o processo. Não tem certo ou errado: as pessoas são diferentes, pensam de forma diferente e tem diferentes visões de mundo. Não é errado discutir, não é ruim – muito pelo contrário. Acredito que quanto menos tocamos num assunto, mais força ele ganha e as consequências são piores para todo mundo. Mas o que menos acontece nas redes sociais são discussões saudáveis. O que vejo é um bando de pessoas desnorteadas, cada qual querendo gritar mais alto e impor sua opinião como verdade absoluta a todo o universo – e isso eu não aceito. Ninguém concorda com uma pessoa porque essa gritou mais alto, teclou em caps look ou xingou a mãe do criador da rede social. Tem gente que ignora o conceito de “liberdade de expressão” e o confunde com uma porção de coisas. Liberdade de expressão não te dá o direito de desrespeitar os outros, não te dá o direito de excluir, oprimir, humilhar ou ridicularizar ninguém. 

Não vivemos em cima do muro. Todos temos opiniões formadas sobre uma porção de coisas, e sobre o que não temos vamos formando ao longo da vida. Não é errado discutir, mudar de ideia, perceber que errou e que podia aprender um pouquinho mais antes de julgar-se com toda a razão. Eu já mudei de ideia várias vezes sobre uma porção de coisas. Continuo mudando. Espero chegar aos 60 com muitas incertezas na cabeça ainda. Então, pra quê tanta prepotência? Aonde queremos chegar com isso? Será que somos mesmo os donos da razão? Quando eu era criança uma professora me disse que temos uma boca e dois ouvidos para escutar mais antes de falar – e nunca nada foi tão verdadeiro. O bom senso não exclui a liberdade de expressão, só nos dá a maravilhosa oportunidade de ponderar um pouquinho mais sobre o que dizemos, pensamos e acreditamos. Porque afinal, as palavras tem poder. E nós sabemos disso.